cizalha.gifCr?nica da assist?ncia de Ceivar como delega?om internacional aos actos do Movimento Pro Amnistia do M.L.N.B.

www.ceivar.org

Os colectivos integrantes do Movimento Pro Amnistia do Movimento de Liberta?om Nacional Basco convid?rom um conjunto de organiza?ons, na sua maioria anti-repressivas,entre as quais a nossa Organiza?om,a uns encontros internacionalistas celebrados para dar a conhecer ao mundo as propostas que da luita anti-repressiva basca formulam para solucionar o conflito pol?tico que co Estado Espanhol o seu pa?s vive.

Ditos encontros inscrev?rom-se nas iniciativas que do movimento anti-repressivo basco se lev?rom a cabo na passada fim-de-semana em Donostia,para exigir ao Estado a instaura?om dumhas m?nimas condi?ons democr?ticas (hoje por hoje continuamente violadas), que respeitarem os direitos civis da popula?om em Euskal Herria.O lema da convocat?ria rezava ?A palavra e a decisom, em liberdade?.

ROLDA DE IMPRENSA COS COLECTIVOS CONVIDADOS.
Na sexta-feira dia 5, o Movimento Pro Amnistia basco convocou umha rolda de imprensa, secundada por numerosos meios de comunica?om,para reclamar a necessidade da implanta?om de condi?ons democr?ticas para o seu pa?s.As delega?ons internacionais convidadas, que eramos as seguintes,arroupamos a confer?ncia e figemos umha comunica?om conjunta no transcurso da mesma: Ceivar e Esculca (Galiza),Centro de Documenta?om contra a Tortura(Estado Espanhol), plataforma catal? de apoio ?(o)s processad@s no sum?rio 18/98 contra o M.L.N.B.,Mem?ria contra a Tortura (Catalunya),Calecer (Asturies),Comit? de Solidariedade com Euskal Herria em Paris, ?Secours Rouge? da B?lgica,comit? de Burdeos pola libera?om d@s pres@s de ?Action Directe?,grupo da revista italiana ?Senza Censura?,Jeric? (grupo de apoio a pres@s pol?tic@s nos EE.UU.),P.C.P.E.(Estado Espanhol),C.A.E.S. de Madrid (?Centro de Asesor?a y Estudios Sociales?), a ?Coordinadora Continental Bolivariana? ou ?A Manca pro s?Indipendenzia? (Sardenha).

O comunicado conjunto com que as delega?ons internacionais participamos na rolda manifestava que

?tod@s @s que nos achegamos hoje at? Donostia queremos amosar a nossa preocupa?om pola situa?om de conflito que vive o Pa?s Basco. Para a resolu?om do mesmo ? necess?rio que se dea um processo, mas um processo que recolha as m?minas condi?ons democr?ticas. As experi?ncias internacionais demostram que as tentativas de solu?om que se vejam influenciados por pressons injustas, em que algumha das partes nom participa em condi?ons reais de igualdade, nom dam resultados duradeiros.De nom se entender isto nos Estados Espanhol e Franc?s,umha solu?om real do conflito veria-se enormemente dificultada. Os Estados devem respeitar este povo e os seus direitos.Assi, comprometemo-nos a trabalhar polo respeito das condi?ons democr?ticas para Euskal Herria,e para que a mensagem que se lan?ar manh? do vel?dromo seja ouvida nos lugares do mundo donde vimos. ? hora de que a sociedade basca e todas as pessoas que entendemos a liberdade pr?pria e a alhea como vertentes dumha mesma liberdade devemos come?ar a trabalhar para que Euskal Herria conte cumha solu?om democr?tica ao conflito.?

REUNIONS COAS ORGANIZA?ONS DA ESQUERDA INDEPENDENTISTA BASCA.

Ainda na tarde da sexta e mais na manh? do s?bado 6 de Janeiro, as entidades organizadoras expug?rom a situa?om do processo pol?tico em E.H.,o seu trabalho social e propostas para a resolu?om do conflito pol?tico,o que se entende por condi?ons democr?ticas (desmilitariza?om do territ?rio por parte do Estado,que conta com
35 000 agentes de ocupa?om armados;a necessidade da amnistia para @s pres@s pol?tic@s e volta d@s refugiad@s,respeito dos direitos de associa?om, expressom,participa?om e comunica?om pol?ticas), e como contribuir para a consecu?om das mesmas em cada um dos nossos pa?ses.

Participou-se, assi mesmo,na concurrida manifesta?om cidad? semanal que ?s sextas percorre Donosti em favor d@s pres@s pol?tic@s.

PROIBI?OM POLA AUDI?NCIA NACIONAL ESPANHOLA DO ACTO POL?TICO P?BLICO.

Para a tarde do s?bado dia 6 estava prevista a realiza?om dum acto p?blico no vel?dromo donostiarra de Anoeta, onde o Movimento Pro Amnistia daria a conhecer ? sociedade as suas linhas program?ticas de trabalho para a supera?om do conflito pol?tico. O acto fora convocado pola organiza?om legal Behatokia(Observat?rio Basco de Direitos Humanos).
J? durante a rolda de imprensa da tarde anterior se denunciara o auto de proibi?om emitido polo magistrado do Julgado Central de Instru?om n.2 do tribunal pol?tico espanhol ?Audiencia Nacional?, Ismael Moreno Chamarro,e comunicado ?(o)s organizador@s.

Est@s realiz?rom um chamamento ? cidadania para que se manifestasse contra mais umha proibi?om do direito c?vico de reuniom e expressom, no mesmo lugar e hora a que o acto pol?tico e p?blico fora convocado (17:30h do dia 6),anunciando que na manh? do s?bado celebrariam mais umha rolda de imprensa para criticar o impedimento do acto pol?tico e solicitar a assist?ncia ? manifesta?om em Anoeta.

As delega?ons internacionais convidadas valoramos a conveni?ncia de emitirmos um comunicado pr?prio, para protestar polo impedimento do direito de reuniom e expressom que, para as circunst?ncias, tam?m a n?s nos era negado.Nesta nova rolda de imprensa participou umha organiza?om galega (Esculca), entre outras, em representa?om de todas as delega?ons estrangeiras.

RETEN?OM DA COMITIVA INTERNACIONAL QUE SE DIRIGIA ? MANIFESTA?OM DE ANOETA.

O nosso autocarro foi interceptado por um dispositivo especial G.A.R. da Guardia Civil que o vinha controlando pouco tempo antes do in?cio da manifesta?om que, segundo se acabava de saber, fora proibida pola Conselharia de Interior do governo da C.A.B. Ap?s reter o ve?culo durante hora e meia na rotonda de Galarreta, impedindo que as delega?ons internacionais chegassem a tempo a Donostia para o protesto, e for?ar tod@s @s ocupantes a abandon?-lo, deixando obrigatoriamente dentro as suas perten?as,as quais manipul?rom ? vontade,os guardas civis lev?rom detido ao quartel de Intxaurrondo o jornalista da r?dio Txalaparta em Paris e de Radio Pays, Sebastian Dadouret,coa escusa de que portava um ?Zutabe? na sua mochila. A dia de hoje sabemos que o Julgado n?m.2 da Audiencia Nacional espanhola decretou o seu ingresso no penal de Madrid-5 (Soto del Real),e o Movimento Pro Amnistia basco organizar? para manh? quinta-feira, dia 11, ?s 7 do ser?m,umha concentra?om perante a Delega?om do Governo Espanhol em Bilbo para exigir a sua liberdade, demanda que do nosso Organismo Anti-repressivo subscrevemos plenamente. Um tribunal de excep?om como a espanhola Audiencia Nacional, que encarcera jornalistas e pro?be manifesta?ons cidad?s que reclamam liberdades civis, mostra-se como um tribunal de repressom pol?tica em toda regra.

REPRESSOM CONTRA MILES DE PESSOAS NA MANIFESTA?OM POLA AMNISTIA.

Umha completa cr?nica da tentativa de manifesta?om pode-se ver (em castelhano) no meio contra-informativo La Haine (vid.liga?om inferior).Algumhas das pessoas que portariam a faixa de cabe?a e leriam comunicados estavam retidas junto coas delega?ons internacionais pola Guardia Civil, co qual cheg?rom quando os antidist?rbios de ac?om r?pida das brigadas m?veis da Ertzaintza estavam a carregar violentamente contra a popula?om, co resultado de diversas pessoas feridas e 2 detidas.

Do Organismo Anti-repressivo Ceivar queremos agradecer o convite feito polo Movimento Pro Amnistia do M.L.N.B. e transladar de novo a nossa solidariedade internacionalista perante os factos repressivos acontecidos supradescritos.

Comments are closed.