stop-repressom.jpg

Umha semana depois das deten?ons de dous estudantes em Compostela a Pol?cia Nacional espanhola practicou na noite de onte mais umha deten?om. O militantante da AMI, P.M, foi conduzido ? esquadra policial quando se encontrava realizando umha colada. A acusa?om que pesa sobre o militante ? um delitod e danos, embora se desconhe?a mais a respeito do asunto. De Ceivar denunciam que nos encontramos perante mais umha deten?om pol?tica. Nestes momentos o militante encontra-se aguardando para fazer declara?om nos julgados das Fontinhas, onde o organismo popular anti-repressivo vem de convocar umha manifesta?om por volta das 11h00 da manh?.

A deten?om do militante independentista P. M. na noite de onte, acusado de ?danos?, quando participava numha colagem de cartazes dessatou umha importante solidariedade na capital galega, dado que o detido ? muito conhecido publicamente pola sua implica?om activa no movimento juvenil. As for?as policiais aproveit?rom mais umha vez a ocasiom para demonstrarem a restri?om absoluta a que est? submetido o exerc?cio das liberdades democr?ticas para aquelas pessoas que ?ousam? fazer uso das mesmas.

detencom1.jpgDesde primeira hora da noite, a compostelana R?dio Kalimera dava a not?cia da deten?om de P. M., vizinho de Compostela, militante independentista e pessoa muito activa no movimento juvenil local. Enquanto a informa?om se estendia em ?mbitos nacionalistas e juvenis, um numeroso grupo de pessoas volunt?rias acodiam ao local nacional de Ceivar para participar na den?ncia desta ?ltima deten?om pol?tica. As for?as policiais mantiv?rom um seguimento continuado sobre o flujo de pessoas que acodiam ? nossa sede nacional procedendo a sucessivas identifica?ons arbitr?rias.

Assi, por volta de quinze pessoas eram identificadas nesta noite no casco hist?rico, a par?quia de Bertamir?ns e o c?mpus norte da USC quando realizavam colagens de cartazes informativos. Efectivos da Pol?cia local da capital galega procedima a ?requisar? todos os cartazes portados por um grupo de pessoas solid?rias quando estas se dispunham a iniciar o seu trabalho. Algo similar aconteceu em Bertamir?ns onde, tamb?m com um governo municipal de coliga?om PSOE-BNG, cinco pessoas f?rom identificadas por efectivos da Pol?cia local de Ames. Um terceiro grupo foi localizado nas imedia?ons da nossa sede nacional e identificado tamb?m gratuitamente embora nom portava qualquer material para desenvolver o trabalho informativo desenvolvido.

Umha jovem ? identificada
?por se levava cartazes da AMI?

O despregamento policial destinado a invisibilizar a den?ncia desta nova deten?om pol?tica e actualizar o recenseamento de pessoas solid?rias foi intenso no casco hist?rico compostelano durante esta noite. Paradoxal resultou o caso dumha amiga do detido que foi identificada por agentes da Pol?cia municipal para comprovar ?se levava cartazes da AMI? (?). A exposi?om do ?motivo? da identifica?om ? surpresiva j? que indica que os efectivos locais est?m a tratar a organiza?om juvenil independentista como umha organiza?om ilegalizada de facto, embora nengum ju?z ou ju?za se tenha posicionado ao respeito e a AMI poda desenvolver ?com normalidade? o seu trabalho pol?tico e social.

Segundo informam pessoas solid?rias que realiz?rom o labor informativo desta noite, a onipresen?a de pol?cias uniformados e ? paisana foi a t?nica, junto ?s identifica?ons, as ordens de ?nom colar mais cartazes? ?sancionadas com um ju?zo ?por desobedi?ncia? no caso de se incumprir-, as carreiras, etc. Contodo, nada impediu que as localidades do Milhadoiro, Bertamir?ns, Calo, Cacheiras e a pr?pria Compostela amanecessem hoje inzadas de cartazes e pintadas nas paredes onde se exigia a imediata libera?om do militante galego.

Reflexom de fundo

Os sucessos repressivos da passada noite ponhem mais umha vez em evid?ncia a forte pressom policial a que se encontra submetida a milit?ncia independentista e os c?rculos sociais de den?ncia da repressom na capital galega, traduzida num permanente estado de excep?om de baixa intensidade onde o exerc?cio de direitos fundamentais se encontra em suspenso para os sectores da popula?om que teimam, frente a um ronsel de identifica?ons policiais, deten?ons, ju?zos e san?ons econ?micas e penitenci?rias, em fazer uso dos mesmos. Nada novo, portanto, a nom ser a extensom desta pr?tica ao governo ?socialista?-?nacionalista? de Ames que, apesar de que se vem destacando h? anos na repressom da liberdade de expressom, por? em andamento a partir de 1 de Janeiro umha nova normativa local que coloca na ?ilegalidade? o exerc?cio da liberdade de opiniom e expressom.

Por outra parte, a deten?om de M. P. enquadramo-la na tentativa da Delega?om do Governo espanhol na CAG, que preside o tamb?m ?socialista? Manuel Ameijeiras Vales, de envolver o independentismo organizado numha din?mica restritamente anti-repressiva, encausando d?zias de militantes, for?ando a um importante gasto econ?mico na defesa d@s mesm@s e dirigindo o grosso da actividade pol?tica para os labores de autodefesa e den?ncia. Nom podemos obviar tampouco que a pressom policial a que som submetidas aquelas pessoas que se aproximam do trabalho anti-repressivo tem o ?nico objectivo de fichar, intimidar e condicionar o abandono da solidariedade.

Finalmente, de Ceivar valorizamos muito positivamente a ampla resposta desenvolvida perante a presente espiral repressiva, j? for nas deten?ons e viol?ncia policial do passado dia 21, j? for na deten?om acontecida na noite passada. Consideramos que este ? o caminho a seguir e refor?ar fazendo ouvidos surdos a quem nom tenhem mais que oferecer a este Pa?s que mediocridade, ren?ncia e a repressom de quem nom se pregue ao nom-futuro que desenham para o nosso povo. Este organismo anti-repressivo chama explicitamente a potencializar a linha de trabalho anti-repressiva e a que cada quem, na medida dos seus meios e possibilidades, colabore com Ceivar na condi?om de volunt?ri@ ou militante.

Pendente da posta
a disposi?om judicial

O companheiro P. M. passou a noite nos calabou?os da Pol?cia espanhola na capital galega, esperando-se que seja posto a disposi?om dum magistrado ou magistrada antes do meio-dia de hoje. Com o objectivo de presionar para a imediata libera?om do jovem independentista, est? convocada para as 11:00 h. da manh? umha concentra?om sob a legenda ?NAHUEL LIBERDADE. A repressom nom nos calar?? que se prolongar? at? a sa?da de P. M. dos julgados de Fontinhas. Apontar, finalmente, que coincidindo com a deten?om do militante galego, o nosso web experimentava na noite de onte um not?vel aumento de visitas indicativo de como o trabalho anti-repressivo na rede se est? a fazer, progressivamente, um local de refer?ncia para todo o que tem a ver com a persecu?om policial, judicial e medi?tica do Movimento de Liberta?om Nacional Galego.

?

Comments are closed.